terça-feira, 20 de maio de 2008

enquanto chove

Enquanto chove
Pensamentos solares iluminam os olhos
iluminam o que deveria ser luz

caio quieto
em minha poltrona de colcha azul
o livro velho entre meus joelhos
as gotas na roseira já sem flores

chove pouco, mas chove
procuro pelo sol nas nuvens da mente
tudo inunda dentro
dentro de mim

sou agora alagação
tempo fechado cinza
chuva grossa tempestade
procela chumbo , inundado

e a certeza que escondido
por detrás das nuvens negras
brilha o sol

Um comentário:

Rodolfo Curumim disse...

saudade também rega
chove
alaga

respinga nos telhados fazendo
barulho de
estrelas

a música e o silêncio
o silêncio
a saudade

faz sonhar