sábado, 25 de outubro de 2008

filomedusa

_ já te vi passando por aqui
_ impossível, é a primeira vez que venho ao Acre
_ Talvez em Goiânia ou Brasilia
_ Talvez no Rio
_ No Rio não. Só conheço Goiânia e Brasilia.

_ por que veio de tão longe ?
_ também queria saber
_ nunca vi o mar...é bonito ?
_ o que ?
_ o mar...

_ quer mais uma bebida?
_ acho que ja bebi demais
_ o mar é azul ou verde ?
_ depende
_ de que ?
_ de você

_ sabe , ñão gosto daqui, todo fim de semana a mesma coisa
_ quero
_ o que vc quer ?
_ Mais uma bebida

_ eu sou de escorpião
_ é bonito ?
_ o mar ?
_ não...você

_ Sabe, tenho vontade de sair viajando por ai, tipo hippie
_ hippies não existem mais
_ sei lá, mochila nas costas
_ o acre é tão estranho
_ varios baseados, rs
_ já foi um país
_ adoro estrada, aquela sensação de liberdade
_ me sinto livre aqui , talvez o chá
_ sabe que estamos do lado do peru e da bolivia ?
_ quem esta tocando ?
_ o que ?
_ esta música ?
_ ah !!! uma banda nova, nunca lembro o nome deles, gosta ?
_ não sei...quero dançar
_ ah !!! um nome estranho
_ o acre é estranho
_ nome de um sapo
_ sapo ? rs
_ a banda tem o nome de um sapo
_ dança comigo ?


"Logo o endereço da mudança é mais que certo
É quase perto da ignorância
Um lindo descaminho
Muito mais sincero'
*

_ Agora quero o mais profundo silêncio
_ silêncio ?
_ sei lá, estamos na floresta né ?
_ a floresta acabou, estamos em Rio Branco

"I've left my wayTrough the loneliness. I've looked at your pay . Waiting for something more. We're in the same dayIn a real big mistake. Trying to see again .The way to freedom" *


_ Sabe qual é a porra toda que me deixa confuso e me dá vontade de te beijar, você com estes olhos de oceano embriagado, verdes azuis ou sei lá que cor, cheio destes mil sonhos dos vinte e poucos anos e eu eu aqui nesta imensa floresta deserta de meu coração, deixando pra trás toda uma escolha antiga, toda uma vida. Vindo fugindo sabe lá deus de que pra estas matas estranhas, só querendo colo esta noite e esta música que me deixa mais bêbado ainda , tenho quase trinta, criança e quero te colocar entre meus braços, interrompendo o dialogo e sua força pulsante de vida. Tudo é um saco para quem vai buscar a essência das coisas e não as coisas simplesmente. Esta menina que canta e explode meu peito de umidade e mofo. E esta sua boca entreaberta encarando a minha. Por isso o silêncio da samaúma que se transforma em compensado quando tomba. Nem mais uma gota de alcool e nem mais um baseado. Agora somente a paz de um coração tranquilo. A vitória de um viciado em mais uma noite sem usar porra nenhuma. Não te assuste, criança, pois peço socorro. Não te assuste e cuide de mim. Eu que não me submeto mais.
_ Ei...
_ viajei né?
_ filomedusa?
_ ahn ?
_ o nome da banda é filomedusa.

* letras filomedusa


Um comentário:

carol disse...

que piração do caralho, serginho! adorei, muito obrigada, esse texto é uma lisonja... grande beijo!